O estilo das argentinas

7879879_50913d86ddf2b31a7e000151_large17
Caminhar pelas ruas de Buenos Aires é ver diferentes conceitos de moda. É ficar invejando o quanto elas conseguem alcançar o fashionismo, sem parecer um copycat da vitrine. As inspirações estão estampadas em seus looks, se arriscam esteticamente e adaptam as tendências ao seu gosto pessoal. É despojado, sem deixar de ser único e casual.

A típica argentina anda com coques bagunçados no alto da cabeça, mix de estampas, lenço no pescoço e headphones. A trend do momento são os saltos com plataforma, estilo creeper e as anabelas. Todo mundo usa! Também abusam da sobreposição de peças, calças estampadas e cabelos com a cor impecável.

 

Eu sou suspeita pra falar do estilo das argentinas, já que desde o primeiro dia que pisei aqui, não parei de elogia-las. Palmas pra elas que mostram que é possível ter referências de outros países e ainda assim, fazer sua própria moda. 

Em questão de estilo, os homens não ficam pra trás. Gostam de se vestir bem e é perceptível como ousam na hora de escolher as peças. Com calças coloridas (bordo, verde musgo, amarelo queimado), geralmente do modelo skinny, tênis social ou de skate, vivem descompromissados, sem perder a elegância. Como o clima permite, usam cachecóis e casacões, que dão todo um charme europeu ao look. O argentino é o típico: não me esforcei, mas fiquei estiloso.
Beijos, Gabriela Alegre

Expo Obsessão Infinita – Yayoi Kusama

IMG_137193

Faz umas semanas fui ver o que tanto se comentava pelas ruas: a expo “Obsesión Infinita”. Chegando lá me deparei com um mundo de bolinhas. Nas árvores, ponto de ônibus, lixeira, vidros, tudo estava a cara da artista Yayoi Kusama. Agora a expo da Kusama já está no Rio, mas foi inaugurada aqui em Buenos Aires, no museu MALBA. <3

Esperei uma hora embaixo de chuva para entrar, o lugar estava meeesmo concorrido. Tudo bem que era o último dia da expo, e a culpa foi minha por não ter ido antes. Sorry, mom haha. 
Na entrada ganhei uma folha de adesivos coloridos em formato de bolinhas, voltei a ser criança. Todo que estava mundo ali, aliás. Colei na minha roupa, mas alguns ficavam colocando na testa, nariz e bochechas. O bom é que sempre vai ter alguém mais louco que você, rs.

Um pouco sobre a artista: Ela foi uma grande revolucionária da sua época. As obras que hoje parecem fáceis e comuns, naquela então faziam uma quebra ao já estabelecido como esteticamente apreciável.  Suas obras tem o ar contemporâneo, com um quê de surrealismo, modernismo e um padrão de repetição. Essa obsessão já lhe rendeu vários prêmios e exposições pelo mundo. 
Em 1957, Kusama se mudou para Nova York e lá ficou conhecida por suas performances, festivais de body painting, demonstrações anti-guerra e desfiles de moda, sempre marchando pelos direitos civis e das mulheres. Atualmente ela esta com 84 anos, e escolheu viver em uma clinica psiquiátrica em Tóquio, desde 1977. 
 “Minha arte é uma expressão da minha vida, sobretudo da minha doença mental, originário das alucinações que eu posso ver. Traduzo as alucinações e imagens obsessivas que me atormenta em esculturas e pinturas. Todos os meus trabalhos em pastel são os produtos da neurose obsessiva e, portanto, intrinsecamente ligado à minha doença. Eu crio peças, mesmo quando eu não vejo alucinações”

Além das pinturas, colagens e fotografias da artista, a expo conta com instalações incríveis! O que eu mais gostei foi o que tinha luzes penduradas que ficam mudando de cor. Quero isso já no meu quarto!
Depois estavam os quartos com os adesivos de bolinha, um com luz negra e outro super colorido, o divertido era que o pessoal podia acrescentar mais adesivos, colaborando com a obra o/

Datas  no Brasil:

12.10.2013 a 26.01.2014: Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro
17.02.2014 a 27.04.2014: Centro Cultutal Banco do Brasil, Brasília
21.05.2014 a 27.07.2014: Instituto Tomie Ohtake, São Paulo


Já que estava no MALBA, aproveitei para ver a exposição fixa do museu. Arte latino americana do séc XX. 
Vi obras muito conhecidas, como da Tarsila do Amaral, Botero, o auto-retrato da Frida Kahlo.. mas a artista que me chamou a atenção foi a que descreve ações humanas através de bonequinhos em miniatura  e outros objetos. Parece bobo, você fica se perguntando como não pensou nisso antes, mas é sempre assim, por mais simples que pareça, o primeiro que criar, vence. rs



  

Essa é de um brasileiro!


 Museu MALBA, $40, mais uma dica para o city tour em Buenos Aires. Vale a pena ir 🙂

Beijos, Gabriela Alegre