Diário de Intercâmbio: Nightlife – Boates que eu já fui em Buenos Aires

Buenos Aires definitivamente tem uma noite agitada e eu diria que assim como Nova Iorque, nunca dorme. Por aqui as pessoas fazem as prés começando 22/23 horas e só vão para boates depois das 2am. Saindo do lugar quando o sol raiar. A maioria faz isso pra não ter que consumir tanto álcool nas boates.
O preço das bebidas nas boates, comparando com as do Rio de Janeiro, são praticamente iguais. A diferença esta fora, aonde algumas bebidas você encontra mais em conta que no Brasil.
Muitas boates oferecem uma “lista amiga” para entrar na boate de graça, é só enviar um email ou conhecer um promoter. Sempre com a condição de chegar antes das 2am. Algo que eu aproveitei bastante, hahah.

Tenho saído todo final de semana, sempre algum bar ou boate. Nesse mês fui em quatro boates, vou contar minha experiência e dar uma nota (em obeliscos, rs) pra cada uma! Pelo que parece, não me levaram pros melhores lugares, cada vez que comento aonde fui pros porteños (pessoa de Buenos Aires) eles dizem que tem melhores. Achei que as boates só perdem na música para as do Brasil. Numguento mais boate sem música em inglês, arghhhh.

ÁSIA DE CUBA 

Começamos a noite em uma social de aniversário, de uma das argentinas que eu conheci na UADE. Minhas amigas da turma de Produção de Jornal, Flor e Agus, também estavam por lá. A pré foi super divertida. Todo mundo conversando, dançando e curtindo muito. Outros intercambistas de faculdades diferentes também estavam lá. É engraçado ver como as mulheres ficam todas curiosas(pra não usar outra palava, rs) pelos gringos hahah. Parabéééns, Mica!
Asia de cuba funciona como um restaurante asiático a noite e boate depois da meia noite. Fica no bairro mais elegante de Buenos Aires, Puerto Madero, por isso é relativamente caro para entrar. Maaas conhecendo o promoter, você entra de graça, como nos outros! Ainda assim, você paga caro pelas comidas e drinks.
Chegamos na boate por volta das 2am, a área vip tava cheia de vovôs. Sério. Um pessoal de 70 anos dançando as músicas da época deles, porque era isso que o dj tocava. Todo mundo ficou meio decepcionado. Quase liguei pra minha vó, pra ela ir curti também, hehehe. 
Uma fotógrafa veio e pedou para que ficássemos posando para fotos, um por um. Ela pediu pra eu colocar a mão no cabelo e olha pra cima. Tirou quatro fotos que ainda não achei..Tipo tudo armado para sair bem nas fotos do site, meio bizarro, haha. 
Em 30min a música e o público mudaram. Começaram a tocar os hits das rádios americanas, músicas latinas e inclusive Gustavo Lima e Michel Teló. hahah. Foi divertido porque estávamos em um grupo grande de pessoas, então dançávamos entre a gente. Todo mundo se diverte com as músicas brasileiras, inclusive eu, que nunca fui de dançar esse tipo de música, já to apreciando o ritmo (não a letra, ok?). Mas o pessoal que freqüenta a boate é realmente mais velho, lá pelos 30 anos e tem muitos brasileiros.
3 obeliscos para o lugar, pelo preço e pessoal que freqüenta. 

ROSEBAR 

 Eu ainda tava sem o salto, rs

Antes de ir para a Welcome Party da Bais (organização que integra intercambistas que estão em Buenos Aires), fizemos uma social na casa de um dos brasileiros. Foi a primeira vez que saí com todos eles. Na pré escutamos funk, hiphop e as cumbias daqui. Até Anitta dançamos, haha, foi bem divertido. As brasileiras tem essa vibe de party all night long o/
Quando estavamos no ponto de ônibus (aqui todo mundo vai de ônibus pros lugares), aconteceu uma situação sketchy. Dois caras, mais velhos, não paravam de olhar pra gente, eu já tava ficando com medo. O que me acalmava é que tinha um policial parado a uns 5mts da gente. Do nada eles chegam e perguntam se a gente quer comprar maconha. Falamos que não. Enquanto o segundo homem oferece cocaína, o outro chama um táxi e mal dissemos que não eles já tinham sumido. Ou o policial tava dibob na vida e não viu nada, ou isso tudo foi muito estranho mesmo. rs
Chegando na boate Rosebar, que fica no bairro Palermo Soho (conhecido pela vida noturna), fiquei impressionada com o controle de dresscode do lugar. Os homens só podem entrar com camisa de botão. Sem gola v sexy, muito menos regatas. As mulheres todas de salto e vestido. Isso não tava escrito, mas é meio óbvio. 
O lugar é enooorme. A música foi muito boa, com pop, eletrônica e música latina. No meio da madrugada rolou o show de uma mulher que fez cover até da Adele. Foi arriscado, mas ela não fez feio não. Apesar de ter mais de um bar, estão sempre cheios. Assim como a chapelaria. Mas ok, o ambiente é muito bem decorado e conta com área vip e estacionamento exclusivo (para os de carro, not meeee). Plus: No dia que eu fui tava cheio de gringo gato. rs. Vendo as fotos do facebook do Rosebar, confirmei que não foi só nesse dia, o pessoal que freqüenta lá é bem bonito mesmo. Ambos sexos, ok? 
A festa teve uma cabine de tirar fotos, amei, amei, amei. E o fotografo do local coloca uns efeitos bem legais nas fotos. Ficam diferentes das outras boates.
Tive que ir embora cedo, 3:30am, porque a festa foi em pela Quarta-feira e eu tinha aula no dia seguinte. Sou uma ótima aluna, ta vendo, rs.
5 obeliscos para o lugar, curti muito.
Próximas boates: The roxy club, Terrazas, Pachá, Ink, Jet, Bahrein, hype kika, Caix..
Beijos, Gabriela Alegre